EU CONTAREI A HISTÓRIA DA MINHA VIDA. MAIS ESPECIFICAMENTE PORQUÊ ELA (RE)COMEÇOU. E SE VOCÊ ESTÁ LENDO ESTE TEXTO, VOCÊ É UM DOS PORQUÊS!

paulline_e_antonio

Na Mosca Convida: Antonio e Paulline

O título pode parecer conhecido e não se remeta a uma história de amor. Mas, em meu caso, a escolha se encaixa perfeitamente. E, mais uma vez, dentro destes 07 anos de Etec de Sapopemba, é lá (ou aqui) que esta história acontece. Mas vamos pular a parte onde eu achei que minha vida havia acabado. Afinal, hoje é dia de falar sobre o amor!

29 de novembro de 2015 – Embora esta seja a data que marca nossas alianças, minha vida já havia mudado há um tempo! Não, eu não me lembro o dia. Mas me recordo do momento em que, de fato, eu não conseguiria mais esconder de ninguém que eu havia conhecido aquela pessoa que faria tudo ganhar sentido novamente! Após a notícia da chegada de uma nova pessoa para compor a equipe, mais especificamente a da Secretaria Acadêmica, eis que surge “Paulline Pacheco”… Cara de brava, poucas palavras, alguns sorrisos, mas dona do olhar mais encantador que eu já presenciei! E foi este olhar que, de fato, me fez enxergar uma nova vida que estava por vir.

Conversas vinham, conversas iam… E pouco a pouco já não era mais possível disfarçar que o Auxiliar Docente estava passando tempo demais na Secretaria Acadêmica (prezada Diretora, pular esta parte, por favor… kkkkk). Rendendo, claro, àquelas indiretas dos colegas e as brincadeiras dos “cupidos de plantão”. Foi um momento interessante, em relação à Etec de Sapopemba, pois foi neste período que o site da Instituição começou a ser remodelado, a fim de atender as necessidades da Comunidade Escolar e a nossa Página dentro da até então “novata” Rede Social –  Facebook – surgiu.

Passamos a criar um vínculo maior e próximo ao seu contrato junto à Etec se encerrar, resolvi tomar coragem e saber se ela gostaria de partilhar sua vida junto comigo. Para a minha surpresa, recebi o tão sonhado “sim” e desde então passamos a colecionar histórias e aprendizagens do que o convívio a dois proporciona. São exatamente 04 anos e 06 meses de convivência… “E o amor não é a mais fácil das coisas. É a única bagagem que você pode trazer. É tudo o que você não pode deixar para trás!” (Walk On – U2). O trecho desta música resume bem. Nem só de “alegrias” se faz uma história. Ainda mais de amor… Mas se você se permitir a enxergar o mundo com outros olhos que não sejam apenas os seus, haverá uma grande possibilidade de um crescimento pessoal e a descoberta da força que o amor tem (independentemente de qualquer coisa)!

Por fim, embora seja a nossa história bem resumida e contada por mim, sobre a minha vivência deste lindo fato, fica o nosso agradecimento a todas as contingências, ao destino, às forças sobrenaturais, Deus ou qualquer que tenha sido a mãozinha influenciadora que fez da Etec de Sapopemba o palco de uma dentre algumas outras histórias de amor! #EtecDeSapopemba10anos

Antonio Cavalcante Junior – Auxiliar Docente e Paulline Pacheco Alves – Ex-estagiária da Secretaria Acadêmica.

Anúncios

MÍDIAS SOCIAIS – UM OLHAR PARA O FUTURO.

Flávia Paes do Amaral Cassemiro – Diretora de Serviços Acadêmicos; Antonio da Rocha Cavalcante Junior – Auxiliar Docente e José Luiz Alves Santos Júnior – Estagiário.

Por: Flávia Paes do Amaral Cassemiro

Você que acompanha as nossas Mídias Sociais, tem percebido nossas publicações em comemoração aos 10 anos da Etec de Sapopemba?

Essas ações fazem parte do Projeto MÍDIAS SOCIAIS – UM OLHAR PARA O FUTURO, desenvolvido por Antonio da Rocha Cavalcante Junior, Flávia Paes do Amaral Cassemiro e José Luiz Alves Santos Júnior para compor nosso Plano Plurianual de Gestão (PPG).

O Projeto surgiu a partir da observação/reflexão das Mídias Sociais já existentes em nossa Unidade (Site, Facebook, Instagram, Blog e Twitter) e da possibilidade de fortalecer e expandir essas conexões para outras Plataformas Digitais, facilitando a Comunicação com a Comunidade Escolar e aumentando a visibilidade de nossa Escola. Além dos conteúdos já abordados, utilizaremos como temática principal as comemorações de 10 anos da nossa Etec, seus atores e estórias.

Atualmente, a Mídia Social de maior destaque em nossa Unidade é nossa página no Facebook e a utilizaremos junto ao nosso Instagram como instrumento de reconhecimento, agradecimento e homenagem aos noss@s colaborador@s. A ideia principal é publicar fotos dos nossos talentos, uma breve descrição da pessoa e, se ela se sentir à vontade, uma lembrança ou estória vivenciada na Escola e um desejo para os próximos anos, acompanhado da #EtecdeSapopemba10anos (hashtag).

Para os nossos alun@s e ex-alun@s vamos solicitar através das nossas Mídias Sociais, vídeos com depoimentos, estórias e vivências em sua passagem pela Unidade e que talvez tenha marcado sua história e contribuído em sua formação cidadã, acadêmica e profissional.

Em nossa página no Facebook estamos trazendo também o “Minha História em Imagens” – fotografias desses anos, desde a inauguração da escola.

Aqui em nosso Blog vamos contar as estórias e curiosidades diversas que ocorreram ao longo dessa década, sejam elas de ex-alun@s, alun@s, pais, professor@s, funcionári@s, entre outros.

Tem espaço para todo mundo em nossas Mídias e você não pode ficar fora dessa!

Curta, compartilhe e espalhe por aí que você faz parte da História da #EtecdeSapopemba10anos.

Kings of Juta – A música como ferramenta de um desenvolver-se mais HUMANO

Kings of Juta - Integrantes

Kings of Juta – Integrantes

Por Antonio Cavalcante

A Banda Oficial da Etec de Sapopemba: Kings of Juta (nome escolhido pelos alunos em votação realizada aqui no blog) é um Projeto desenvolvido pelo Prof. do Curso Técnico em Redes – José Renato e coordenado, juntamente, com o Auxiliar Docente – Antonio Cavalcante. Onde, por meio da música (mesmo que indiretamente) são trabalhados aspectos que passam longe de apenas pegar um instrumento, afiná-lo e tocá-lo.

À luz da Psicologia Social, como sendo uma das inúmeras teorias possíveis de se analisar e conceituar o que ocorre nesse meio, podemos discorrer sobre a formação de um Grupo Social. Haja visto que a banda é formada por alunos e funcionários (cada qual com suas características próprias, herdadas de suas histórias pregressas, trabalhadas e trazidas para as relações do dia a dia), agora, desempenhando os mesmos papéis sociais, desconfigurando o padrão ao qual estão “empregados”, onde os alunos desempenham os seus próprios e os funcionários assim também os fazem, o que podemos “tirar” disso? Há algo benéfico? Ou há apenas um momento onde todos se unem em prol de um ideal, doando aquilo que sabem fazer e que, trata-se de algo em comum entre todos, visto que o resultado final disso é a música… Resumindo: compartilham de um hobby?

O que ocorre nesse processo (da montagem de um setlist até os ensaios) é um conflito de individualidades. Como explica a Filósofa Silvia Lane: “O viver em grupos permite o confronto entre as pessoas e cada um vai construindo o seu “eu” neste processo de interação, através de constatações de diferenças e semelhanças entre nós e os outros”. E, por fim, quando diante do público, na hora de demonstrar tudo aquilo o que foi trabalhado, passa-se por uma relação público – banda, onde um determina o comportar-se do outro. Em outras palavras, o se comportar dos elementos da banda afeta o comportamento do público e vice-versa. Temos aí, o que na Psicologia Comportamental chamamos de Tríplices Contingências (Estímulo -> Resposta -> Consequência).

Por fim, não há como não dizer que não há algo benéfico. Um indivíduo, a partir do momento em que passa a desenvolver uma atividade que considere prazerosa, como tocar algum instrumento ou cantar (busquemos nos enquadrar nisso), ele se doará ao máximo para a mesma, onde um conjunto de características bio-fisio-sócio-psicológicas peculiares ao indivíduo vão sendo alteradas neste processo. E nesse alterar podemos, porquê não, dizer que ele passa a se desenvolver melhor e não vamos focar em seu papel “aluno”. Ele passa a se desenvolver melhor como SER HUMANO.

Parafraseando Mário Quintana: “As músicas não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. As músicas só mudam as pessoas.”