EU CONTAREI A HISTÓRIA DA MINHA VIDA. MAIS ESPECIFICAMENTE PORQUÊ ELA (RE)COMEÇOU. E SE VOCÊ ESTÁ LENDO ESTE TEXTO, VOCÊ É UM DOS PORQUÊS!

paulline_e_antonio

Na Mosca Convida: Antonio e Paulline

O título pode parecer conhecido e não se remeta a uma história de amor. Mas, em meu caso, a escolha se encaixa perfeitamente. E, mais uma vez, dentro destes 07 anos de Etec de Sapopemba, é lá (ou aqui) que esta história acontece. Mas vamos pular a parte onde eu achei que minha vida havia acabado. Afinal, hoje é dia de falar sobre o amor!

29 de novembro de 2015 – Embora esta seja a data que marca nossas alianças, minha vida já havia mudado há um tempo! Não, eu não me lembro o dia. Mas me recordo do momento em que, de fato, eu não conseguiria mais esconder de ninguém que eu havia conhecido aquela pessoa que faria tudo ganhar sentido novamente! Após a notícia da chegada de uma nova pessoa para compor a equipe, mais especificamente a da Secretaria Acadêmica, eis que surge “Paulline Pacheco”… Cara de brava, poucas palavras, alguns sorrisos, mas dona do olhar mais encantador que eu já presenciei! E foi este olhar que, de fato, me fez enxergar uma nova vida que estava por vir.

Conversas vinham, conversas iam… E pouco a pouco já não era mais possível disfarçar que o Auxiliar Docente estava passando tempo demais na Secretaria Acadêmica (prezada Diretora, pular esta parte, por favor… kkkkk). Rendendo, claro, àquelas indiretas dos colegas e as brincadeiras dos “cupidos de plantão”. Foi um momento interessante, em relação à Etec de Sapopemba, pois foi neste período que o site da Instituição começou a ser remodelado, a fim de atender as necessidades da Comunidade Escolar e a nossa Página dentro da até então “novata” Rede Social –  Facebook – surgiu.

Passamos a criar um vínculo maior e próximo ao seu contrato junto à Etec se encerrar, resolvi tomar coragem e saber se ela gostaria de partilhar sua vida junto comigo. Para a minha surpresa, recebi o tão sonhado “sim” e desde então passamos a colecionar histórias e aprendizagens do que o convívio a dois proporciona. São exatamente 04 anos e 06 meses de convivência… “E o amor não é a mais fácil das coisas. É a única bagagem que você pode trazer. É tudo o que você não pode deixar para trás!” (Walk On – U2). O trecho desta música resume bem. Nem só de “alegrias” se faz uma história. Ainda mais de amor… Mas se você se permitir a enxergar o mundo com outros olhos que não sejam apenas os seus, haverá uma grande possibilidade de um crescimento pessoal e a descoberta da força que o amor tem (independentemente de qualquer coisa)!

Por fim, embora seja a nossa história bem resumida e contada por mim, sobre a minha vivência deste lindo fato, fica o nosso agradecimento a todas as contingências, ao destino, às forças sobrenaturais, Deus ou qualquer que tenha sido a mãozinha influenciadora que fez da Etec de Sapopemba o palco de uma dentre algumas outras histórias de amor! #EtecDeSapopemba10anos

Antonio Cavalcante Junior – Auxiliar Docente e Paulline Pacheco Alves – Ex-estagiária da Secretaria Acadêmica.

Anúncios

Kings of Juta – A música como ferramenta de um desenvolver-se mais HUMANO

Kings of Juta - Integrantes

Kings of Juta – Integrantes

Por Antonio Cavalcante

A Banda Oficial da Etec de Sapopemba: Kings of Juta (nome escolhido pelos alunos em votação realizada aqui no blog) é um Projeto desenvolvido pelo Prof. do Curso Técnico em Redes – José Renato e coordenado, juntamente, com o Auxiliar Docente – Antonio Cavalcante. Onde, por meio da música (mesmo que indiretamente) são trabalhados aspectos que passam longe de apenas pegar um instrumento, afiná-lo e tocá-lo.

À luz da Psicologia Social, como sendo uma das inúmeras teorias possíveis de se analisar e conceituar o que ocorre nesse meio, podemos discorrer sobre a formação de um Grupo Social. Haja visto que a banda é formada por alunos e funcionários (cada qual com suas características próprias, herdadas de suas histórias pregressas, trabalhadas e trazidas para as relações do dia a dia), agora, desempenhando os mesmos papéis sociais, desconfigurando o padrão ao qual estão “empregados”, onde os alunos desempenham os seus próprios e os funcionários assim também os fazem, o que podemos “tirar” disso? Há algo benéfico? Ou há apenas um momento onde todos se unem em prol de um ideal, doando aquilo que sabem fazer e que, trata-se de algo em comum entre todos, visto que o resultado final disso é a música… Resumindo: compartilham de um hobby?

O que ocorre nesse processo (da montagem de um setlist até os ensaios) é um conflito de individualidades. Como explica a Filósofa Silvia Lane: “O viver em grupos permite o confronto entre as pessoas e cada um vai construindo o seu “eu” neste processo de interação, através de constatações de diferenças e semelhanças entre nós e os outros”. E, por fim, quando diante do público, na hora de demonstrar tudo aquilo o que foi trabalhado, passa-se por uma relação público – banda, onde um determina o comportar-se do outro. Em outras palavras, o se comportar dos elementos da banda afeta o comportamento do público e vice-versa. Temos aí, o que na Psicologia Comportamental chamamos de Tríplices Contingências (Estímulo -> Resposta -> Consequência).

Por fim, não há como não dizer que não há algo benéfico. Um indivíduo, a partir do momento em que passa a desenvolver uma atividade que considere prazerosa, como tocar algum instrumento ou cantar (busquemos nos enquadrar nisso), ele se doará ao máximo para a mesma, onde um conjunto de características bio-fisio-sócio-psicológicas peculiares ao indivíduo vão sendo alteradas neste processo. E nesse alterar podemos, porquê não, dizer que ele passa a se desenvolver melhor e não vamos focar em seu papel “aluno”. Ele passa a se desenvolver melhor como SER HUMANO.

Parafraseando Mário Quintana: “As músicas não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. As músicas só mudam as pessoas.”