Sexo seguro e ponto final!

sexo_seguro_na_mosca_1

Por Denis Le Senechal Klimiuc

Não há dúvidas de que sexo sem camisinha não é a melhor opção para quem não quer ter um filho neste momento ou, na pior das hipóteses, ganhar uma DST para jamais se esquecer. O prazer, nesse caso, vai por água abaixo e a lembrança torna-se cada vez mais amarga. Que tal, então, deixar a possibilidade de coisas ruins ou indesejadas ou inesperadas ou… Bom, você sabe: sexo seguro e ponto final!

Em São Paulo, cidade mais populosa do país, o índice de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), aumenta gradativamente com o passar dos anos, apesar de toda a informação disponível para prevenção, além de preservativos distribuídos em postos de saúde, escolas, hospitais e até mesmo em empresas e faculdades. Segundo um levantamento da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, casos de Aids aumentaram 21,5% nos últimos 9 anos, resultando em alerta máximo contra essa doença, assustadora e devastadora há mais de 30 anos; são quase 107.000 pessoas vivendo com a doença somente em São Paulo.

No país, o Ministério da Saúde especulou que, até 2012, foram 656.701 casos da doença registrados, desde que passou a ser contabilizada, em 1980. Por outro lado, o país torna-se um dos principais combatentes à Aids, com campanhas e distribuição massiva de preservativos – este o meio mais barato e seguro de se proteger contra tal doença ou qualquer outra relacionada à prática sexual.

sexo_seguro_na_mosca_2

Doenças que (infelizmente) não saem de moda

Aliás, além da Aids, o risco de transar sem camisinha é gigantesco também para adquirir outras Doenças Sexualmente Transmissíveis, como:

– Clamídia: tipicamente feminina, dá ocorrências de corrimento vaginal, sangramento, queimação ao urinar e dores, como no abdômen e lombar, além de febre e náusea constantes;

– Gonorreia: Pode não apresentar sintomas, mas, se transparecer, podem ocorrer dores ou queimações ao urinar, dor durante o ato sexual e infecções na garganta, olho e ânus, dentre outros sintomas.

– Sífilis: pode aparecer como apenas uma ferida, mas progride vagarosamente e culmina em feridas mais graves, pontos avermelhados, febre, perda de cabelos, dor de cabeça, perda de peso, dores musculares e cansaço, entre outros sintomas.

Lembrando que as doenças citadas acima são apenas o básico sobre tantas outras Doenças Sexualmente Transmissíveis. Se você tiver dúvidas ou apresentar algum sintoma citado, vá até o médico de sua confiança ou a um posto de saúde e procure por exames, além de realizar teste sanguíneo. Saiba que o crescimento vertiginoso de tantas doenças se apresenta na faixa etária na qual ocorrem as maiores descobertas sexuais: entre os 15 e os 24 anos. Por isso, se você é ou pretende ser sexualmente ativo, lembre-se de que a camisinha está em diversos lugares para ser colhida e usada. Com inteligência, é claro.

Não caia na armadilha de deixar o uso do preservativo para somente durante o ápice do ato sexual. Seja ele vaginal, anal ou oral, o sexo é sexo e os perigos ocorrem em todos os lugares. Já sabia disso, não é? Que bom! Então espalhe que o sexo deve ser seguro. E ponto final!

Anúncios

Sexo não é besteira!

sexo_na_mosca_1

Por Denis Le Senechal Klimiuc

Sexo parece ser coisa de quem só pensa besteira, de quem parece viver na safadeza e, por isso, não pode ser considerado alguém normal. Mais do que algo profano ou indecente, sexo é uma das práticas físicas (e mentais, diga-se de passagem) mais naturais que o ser humano possui e, só por isso, já deveria fazer parte de muito mais rodas de discussão e conversas de fim de expediente do que faz. Por isso, o Na Mosca esclarecerá, neste texto, alguns aspectos importantes que você, eu e todos nós devemos saber.

Se você nunca fez, não pense que isso é a pior coisa do mundo. Sexo faz parte da vida, sim – é assim que conseguimos gerar nossos filhos, afinal de contas! – mas, além disso, é um processo que acompanha a vida de todo ser humano e, por isso, independente de qual cultura você está inserido, é algo que deve ser feito quando houver preparo. Por isso, nada de ir pela ideia de outras pessoas só para fazer acontecer!

Por outro lado, se você já fez, deve saber que existe algo além do prazer e carinho que há entre duas pessoas quando há sexo envolvido: sim, estou falando de proteção. Pois, infelizmente, há um jeito de atrapalhar muito a vida de uma ou mais pessoas quando não há o mínimo de responsabilidade em uma relação sexual e, por isso, torna tudo tão perigoso e até mesmo decadente.

sexo_na_mosca_2

Pois transar sem proteção é bater na porta de diversas doenças que, muito piores do que o desespero de uma gravidez indesejada, torna a vida de quem a tem algo extremamente tênue, entre o possível fim e o aproveitamento da vida. Então, seja adepto daquele velho termo popularizado no filme “Sociedade dos Poetas Mortos (1989), quando o professor interpretado pelo saudoso Robin Williams profetizava nossos tempos com seu famoso “Carpe Diem” – e desde então aproveitar o dia deixou de ser algo banal e se tornou filosofia de vida das próximas gerações, como a minha e a sua.

Aproveite o dia, portanto, e seja consciente de seus atos. Seja você alguém que pratica sexo regularmente ou não, tenha consciência do valor que sua vida tem. Seja esperto e honesto consigo mesmo e respeite todas as possibilidades que seu futuro lhe reserva. Fazer sexo com proteção é, sim, resguardar toda a grandeza que seu futuro possui e, diante de tantas ameaças, como a Aids, que bate à nossa porta a todo momento, que tal usar a boa e velha camisinha e garantir o suspiro de prazer ao invés do desespero da preocupação?

Por isso, a Etec de Sapopemba dá alguns passos para você e oferece, em seu ambiente escolar, o suporte necessário para que Doenças Sexualmente Transmissíveis não aterrorizem sua vida – algo muito valioso para a escola. Você pode contar, desde o início da semana passada, com um repositório repleto de camisinhas para garantir a você a responsabilidade para o sexo ser ainda mais prazeroso. Afinal, nada de grilo em um momento tão importante como esse, né?!