ALINE E JUNIOR: O CASAL DA ETEC DE SAPOPEMBA

Na Mosca Convida: Aline e Junior

Eu, Aline, iniciei meus estudos na Etec de Sapopemba em 2009, na primeira turma do Ensino Médio. Em 2010, quem ingressou foi o Junior. No ano que ele entrou na Etec, acabamos nos conhecendo, pois peguei amizade com algumas pessoas da sala dele, porém só nos cumprimentávamos em rodas de amigos e nos corredores da escola. Porém a nossa história iniciou para valer em abril deste mesmo ano, no passeio à Aldeia Indígena Krukutu. As nossas salas foram juntas, no mesmo ônibus. Eu com o pessoal da minha sala no fundo do ônibus e ele com a turma dele pra frente. Não demorou muito e nós que estávamos no fundo escutamos que alguém estava cantando e tocando nos bancos da frente. Eu, sempre muito curiosa, fui ver quem estava tocando e me deparei com ele tocando o violão e ao mesmo tempo cantando sertanejo. Ninguém estava sentado naquela área. Formou-se uma espécie de rodinha dentro do ônibus. Num certo momento, me soltei, foi quando o ônibus freou e eu quase cai, se não fosse por um detalhe, o Junior me segurou. Nesse momento houve a nossa primeira troca de olhares. Fiquei muito tímida por quase ter levado um tombo no meio de todo mundo, por ele ter me segurado e por aquelas trocas de olhares. Não pensei duas vezes e voltei ao meu lugar. Não demorou muito e ele estava sentado do meu lado.

Todos estavam na torcida para que a gente ficasse, mas eu estava resistindo. Na ida foi só conversas, já na volta ele insistiu para que ficássemos juntos e quase chegando à escola não resisti. Inicialmente houve pressão de todos, mas com o passar dos dias, continuamos ficando. Foi quando começamos um “namoro”. Eu conheci a mãe dele e ele conheceu a minha durante um minicurso, organizado pelo curso Técnico em Alimentos. Mas esse namoro não durou muito. Cerca de umas duas semanas aproximadamente. O legal foi que, terminando o namoro, a amizade permaneceu. E foi uma amizade muito bacana, pois conversávamos bastante. Ele me falava sobre o atual relacionamento dele e eu até conselhos pedia.

Em 7 meses de amizade, descobri que ele não estava mais namorando e foi quando nos aproximamos ainda mais. Cheguei a convidar ele e os pais dele para irem ver a peça de teatro que eu e toda a minha sala iríamos apresentar. Em novembro de 2010 era o aniversário da minha amiga, que até então era da sala dele. Organizei para ela uma festa surpresa com algumas pessoas da sala deles, incluindo ele. Essa amiga sempre torceu e fez de tudo para que nós ficássemos juntos. Enfim, depois da festa surpresa e do horário de saída da escola, eu teria que ir embora para almoçar e voltar para o técnico. Quando voltei, trouxe um pedaço de bolo para que ele levasse para a mãe dele. Desde a minha volta para a escola, até o momento que o sinal tocou, fiquei na Biblioteca com ele, pois ele estava aguardando o horário para ir para um curso que estava fazendo. Ficamos muito juntos, mãos dadas e aquele clima. Quando o sinal tocou e eu ia subir pra sala, ele tentou me beijar. No primeiro momento não aceitei, por causa da timidez, mas na segunda tentativa não resisti. A partir de então começamos a namorar de verdade.

Já passamos por muitas coisas juntos… Mas, muitas mesmo! Afinal, mais de 06 anos juntos, não é pouco! Em novembro de 2016 completamos 06 anos de namoro, porém com um detalhe… Dessa vez, casados. No dia 11 de Junho de 2016, às 12h, no Cartório de São Mateus, oficializamos nossa união, dizendo SIM um ao outro e nos casando oficialmente.

Essa é um pouquinho da nossa história. Os estudantes que iniciaram o namoro na Etec de Sapopemba e que hoje estão casados!!!

Aline Marchetti de Barros Freitas (Turma do Ensino Médio 2009 – 2011 e Ensino Técnico em Alimentos 2º/2010 – 2º/2011) e Aldemir Freitas Junior (Turma do Ensino Médio 2010 – 2012 e Ensino Técnico em Informática 1º/2011 – 1º/2012). #EtecdeSapopemba10anos

Anúncios

O primeiro Vestibulinho e o primeiro Inscrito a gente não esquece!

vestibulinho_post_blog

Victor Raul Benzi da Silva – Primeiro candidato inscrito em nossa escola.

Por: Flávia Paes do Amaral Cassemiro

Em tempo de inscrições para o Processo Seletivo Vestibulinho e em clima de comemorações dos 10 anos da Etec de Sapopemba, não podemos deixar de lembrar do Vestibulinho 2º Semestre/2017 e do Victor Raul Benzi da Silva, primeiro candidato inscrito em nossa escola.

No Vestibulinho de 2007, não possuíamos as inscrições através do site www.vestibulinhoetec.com.br, como ocorre atualmente.

As inscrições eram realizadas nas Etecs, através da compra do Manual do Candidato, preenchimento da Ficha de Inscrição, pagamento da taxa bancária e retorno à unidade para entrega da Ficha de Inscrição.

O nosso primeiro inscrito passou por todas essas etapas de inscrição, fez o exame e não é que ele começou com o pé direito?! Ele foi aprovado no Curso Técnico em Informática no período da tarde.

Agora é a sua vez!

Você pode optar pelos cursos da Etec de Sapopemba:

  • Informática – Tarde;
  • Administração – Noite;
  • Administração Semipresencial – Aulas aos sábados pela manhã;
  • Alimentos – Noite;
  • Marketing – Noite;
  • Redes de Computadores – Noite.

Em nossas Classes Descentralizadas:

Extensão da Etec de Sapopemba na E.E. Stefan Zweig:

  • Logística – Noite;
  • Recursos Humanos – Noite.

Extensão da Etec de Sapopemba no CEU Sapopemba:

  • Contabilidade – Noite;
  • Eventos – Noite;
  • Serviços Jurídicos – Noite.

Aproveite que as inscrições estão abertas e faça já a sua!

Escolha um dos nossos cursos e escreva sua História junto à nossa! #EtecdeSapopemba10anos

Kings of Juta – A música como ferramenta de um desenvolver-se mais HUMANO

Kings of Juta - Integrantes

Kings of Juta – Integrantes

Por Antonio Cavalcante

A Banda Oficial da Etec de Sapopemba: Kings of Juta (nome escolhido pelos alunos em votação realizada aqui no blog) é um Projeto desenvolvido pelo Prof. do Curso Técnico em Redes – José Renato e coordenado, juntamente, com o Auxiliar Docente – Antonio Cavalcante. Onde, por meio da música (mesmo que indiretamente) são trabalhados aspectos que passam longe de apenas pegar um instrumento, afiná-lo e tocá-lo.

À luz da Psicologia Social, como sendo uma das inúmeras teorias possíveis de se analisar e conceituar o que ocorre nesse meio, podemos discorrer sobre a formação de um Grupo Social. Haja visto que a banda é formada por alunos e funcionários (cada qual com suas características próprias, herdadas de suas histórias pregressas, trabalhadas e trazidas para as relações do dia a dia), agora, desempenhando os mesmos papéis sociais, desconfigurando o padrão ao qual estão “empregados”, onde os alunos desempenham os seus próprios e os funcionários assim também os fazem, o que podemos “tirar” disso? Há algo benéfico? Ou há apenas um momento onde todos se unem em prol de um ideal, doando aquilo que sabem fazer e que, trata-se de algo em comum entre todos, visto que o resultado final disso é a música… Resumindo: compartilham de um hobby?

O que ocorre nesse processo (da montagem de um setlist até os ensaios) é um conflito de individualidades. Como explica a Filósofa Silvia Lane: “O viver em grupos permite o confronto entre as pessoas e cada um vai construindo o seu “eu” neste processo de interação, através de constatações de diferenças e semelhanças entre nós e os outros”. E, por fim, quando diante do público, na hora de demonstrar tudo aquilo o que foi trabalhado, passa-se por uma relação público – banda, onde um determina o comportar-se do outro. Em outras palavras, o se comportar dos elementos da banda afeta o comportamento do público e vice-versa. Temos aí, o que na Psicologia Comportamental chamamos de Tríplices Contingências (Estímulo -> Resposta -> Consequência).

Por fim, não há como não dizer que não há algo benéfico. Um indivíduo, a partir do momento em que passa a desenvolver uma atividade que considere prazerosa, como tocar algum instrumento ou cantar (busquemos nos enquadrar nisso), ele se doará ao máximo para a mesma, onde um conjunto de características bio-fisio-sócio-psicológicas peculiares ao indivíduo vão sendo alteradas neste processo. E nesse alterar podemos, porquê não, dizer que ele passa a se desenvolver melhor e não vamos focar em seu papel “aluno”. Ele passa a se desenvolver melhor como SER HUMANO.

Parafraseando Mário Quintana: “As músicas não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. As músicas só mudam as pessoas.”